As lições do Sr. Porquinho

O cofrinho sempre foi muito utilizado na educação financeira infantil, mas você já refletiu de forma mais profunda sobre o que pode estar ensinando neste processo?

Reuni algumas lições importantes para pais e filhos sobre as lições do Sr. Porquinho.

 

Lição 1- Fugir do impulso das compras

Começamos escolhendo algo que a criança deseja muito e ensinamos que essa vontade deve ser adiada, fugindo do imediatismo e das compras por impulso.

Estamos escolhendo antecipadamente com o que gastaremos e, muitas vezes, quando gastaremos.

 

Lição 2 – Dificultar o acesso

Muitos cofrinhos precisam ser quebrados para que tenhamos acesso ao tesouro que ele guarda, ou seja, o acesso não é facilitado.

Aqui temos um aprendizado importante para crianças e para os adultos: tirar o acesso fácil e imediato do dinheiro de quem efetivamente pode gastá-lo é essencial.

Isso vale tanto para quando guardo as moedas na barriga do porquinho de porcelana quanto para quando escolho um investimento sem liquidez ou resgate automático. Nas duas situações é preciso que haja uma ação consciente para a utilização do recurso.

 

Lição 3- Controle

Muitas vezes os adultos se surpreendem com o volume acumulado, com as moedinhas de troco que não tinham nenhuma destinação, e que de no final do processo representam um montante expressivo. Aqui pode ser evidenciado a falta de controle financeiro da família com o orçamento doméstico e como os pequenos valores que, quando somados, podem ser significativos. Isso vale para as moedas mas também para as diversas compras parceladas, com os pequenos valores gastos com alimentação fora de casa ou ainda com os deslocamentos baratinhos pelos aplicativos.

Você já imaginou em 20 anos o quanto o controle das pequenas despesas pode fazer diferença na construção da sua independência financeira?

 

Lição 4 – Cuidado com o ciclo acumulação – consumo

A segunda grande lição é na perpetuação do ciclo acumulação e consumo. Sem perceber, ensinamos a criança a gastar tudo aquilo que juntou.

E aí, quando adulto, o ciclo se perpetua.

De acordo com o Raio X do investidor de 2019, 56% dos entrevistados não tinham qualquer investimento financeiro em 2018.

São pessoas que gastam tudo o que ganham, não pensando nem na reserva de emergência e tampouco na aposentadoria.

 

Lição 5- Cuidado com o endividamento

Endividamento, como assim? Quando o valor acumulado não é suficiente para que o objetivo de compra seja alcançado e os pais complementam o valor, é estabelecida a relação entre o agente superavitário e o agente deficitário.

De acordo com o CNC, em maio de 2020 o percentual de famílias endividadas atingiu a marca de 66,5%.



Deixe uma resposta

Top